Seguidores

segunda-feira, 3 de dezembro de 2018

Manhã de frio

Num rápido voo
Um passarinho passa -
Manhãzinha fria

Passarinhos

Passarinhos
De voos em voos são
Osdonos das árvores

quinta-feira, 15 de novembro de 2018

Ainda muriçocas e grilos


Hum... nem muriçocas
Nem grilos se preocupam
Com este calor


Muriçocas e grilos


Mas que noite, hem!
Até com as muriçocas
Estes grilos cantam


No meio da rua
Súbito um lagarto passa –
Hum... vento de chuva

Haicais ao acaso


De minha varanda
Escrevo haicais ao acaso –
Súbito um vizinho

Lua


Agora no céu
Uma lua bem crescente
Oh, que fase boa!


A tarde quieta –
O menino se espreguiça
Ainda com sono

Sol de novembro


Em todas as árvores
O vento se enrosca quente –
Eh, sol de novembro

sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Varanda


Ai, tanto calor...
Quando o vento vai chegar
Aqui na varanda?

Coruja


Caminho do rio –
Uma coruja cantando
Pela vizinhança

Pescador


Inicio da noite –
O pescador vem do rio
Com peixes na mão

Areia quente


O vento no chão
Passa até bem devagar –
Oh, areia quente!

Bem-te-vi e eu


Outra vez de longe
Este bem-te-vi parece
Querer me seguir

Bem-te-vi


Quieto num galho
Um bem-te-vi saboreia
O vento da manhã

quinta-feira, 8 de novembro de 2018

quarta-feira, 7 de novembro de 2018

Previsões

Um pé de caju
Deve ficar em meu túmulo,
Num tempo distante

Ainda me vejo jovem
Querendo colher cajus

Um grilo

O grilo já canta
O cri-cri de toda noite
No escuro do quarto

O menino acende a luz
Porém nada vê

Pescador

Oh, ventos do rio
Meu velho pai foi também
Pescador daqui

Noite e chuva

O vento do rio
Traz um cheirinho de chuva
Oh, noite abençoada

Velho rio

Neste velho rio
Os patos d'água conhecem
Cada um dos lagos

Sol e sombra


O sol ( bem malandro)
Cisma de jogar a sombra
Por onde eu ando

Sol e calor

O sol já saiu
O quintal já está cheio
De luz e calor

Sol e bem-te-vis

Manhãzinha de sol -
Conversam em meu quintal
Alguns bem-te-vis

terça-feira, 6 de novembro de 2018

Rio e criança


Aqui no quintal
Há um portão para o rio –
Lá vem meu netinho!

Folha e vento


Em rodopio lento
Uma folha cai do galho
Por ação do vento

Calor e rio


Uma tarde tão quente –
Os meninos já até vão
Banhar-se no rio

Calor


Aqui da varanda
Vejo o chão com folhas secas –
Que calor tão grande!

Mês de novembro


Logo cai a tarde
Mas o calor de novembro
Fica para a noite

Calor e café


O calor da tarde
Nunca vai mudar meus hábitos –
Hora de um café


Céu de novembro


As nuvens no céu
Têm o branco do algodão –
Tarde de novembro

Cerrado em novembro


Árvores sem folhas
E o calor por toda parte –
Cerrado em novembro

Vento em novembro


Ventos de novembro –
A roupa no varal seca
Rápido demais

Calor de novembro


Calor de novembro –
Ventos tão secos e quentes
Correm na varanda

Novembro


Calor de novembro –
Algumas nuvens no céu,
Mas por que não chove?

Quintal

Ainda me admiro
Dos cantos em meu quintal -
Que a vida é bela

Caminhos

Às vezes me calo
Os caminho são tão longos
E meus passos curtos

Calor e noite

O calor do sol
Embarca dentro de casa
Sem querer sair

Calor e rio

Trade de calor
Vou é me banhar no rio
Agorinha mesmo

Tarde e calor

A tarde já vai
Porém o calor do sol
Sempre quer ficar

segunda-feira, 5 de novembro de 2018

Rio e chuva

Noite de novembro -
O vento que vem do rio
tem cheiro de chuva

Grilos e ventos

Então com a noite
Vem de carona no vento
O cri-cri dos grilos

Grilo e festa

Cri-cri um grilo faz
Mas se vai a uma festa
Canta muito mais

Vento e calor

Um pouco de vento
Alegra as folhas das árvores
Num mês de calor

Cajus em novembro

Manhã de novembro -
Embora no fim da safra
inda há cajus